Como é tratado o Erro na sua empresa?




Veja a seguinte situação: Um médico receitou um antibiótico para minha esposa tratar uma infecção urinária. 3 comprimidos, 1 por dia, durante 3 dias.


Ao ir até a farmácia, a atendente reteve a receita (remédio de uso controlado) e vendeu uma caixa com 6 comprimidos.


Dia seguinte, liga o farmacêutico informando que venderam o remédio errado. Que havia sido receitado um remédio “X-Pro” e venderam o “X-Normal”. O próprio farmacêutico se prontificou a resolver com o médico uma vez tinha que fazer a troca da receita. No mesmo instante, informou que nada afetaria o tratamento, apenas que minha esposa teria que tomar os 6 comprimidos, 1 a cada 12h horas, durante os 3 dias e pronto.


Mas não era bem isso.


Ao trocar mensagem com o médico (o farmacêutico nos copiou) foi informado que para o tratamento com remédio “X-Normal”, que minha esposa havia iniciado, o tempo de tratamento é de 7 dias e não de 3 dias. Assim ela teria que continuar por mais 4 dias o tratamento.


Ao voltar na farmácia no domingo, soubemos que só havia caixas com 6 ou 14 comprimidos. Como faltavam 4 dias, tivemos que comprar a caixa maior.


Como foi um erro da farmácia, pedimos para nos reembolsarem o valor da primeira caixa.


Na segunda-feira, o farmacêutico nos ligou pedindo novamente desculpas e disse que nos reembolsaria o valor da primeira caixa.


A conduta até aquele momento me pareceu adequada, a farmácia estava assumindo sua responsabilidade e tentando minimizar o erro junto ao cliente concorda?


Mas é aí que vem a surpresa!


Na própria segunda-feira, a atendente que fez a primeira venda envia um whatsapp para minha esposa, dizendo que a farmácia iria descontar do salário dela o valor do reembolso.


Ficamos indignados.


Primeiro com a farmácia, que em vez de ver onde o processo falhou e corrigir / melhorar, foi pelo caminho mais "fácil" e penalizou o funcionário / atendente.


Segundo pela própria abordagem da funcionária / atendente. Qual era o objetivo dela? Nos fazer desistir do reembolso? Fazer o cliente assumir um ônus pelo erro da empresa?


A questão não é o valor em si, e sim a correção de um erro cometido pela própria rede de farmácias.


Errar é humano, faz parte do dia-a-dia das pessoas. Um certo grau de tolerância ao erro deve existir nas organizações, afinal não há inovação sem erro!


Contudo, vejo muitas empresas levantando a bandeira da inovação, de grau de autonomia, de postura de dono e assim por diante, mas que na primeira oportunidade de mostrar na prática que acredita mesmo nisso, reage dessa forma!


Enfim... e na sua empresa? Como é tratado o erro?


Sucesso e até breve!!


Este artigo foi Publicado na no LINKEDIN. Para ver o artigo original, acesse o link a seguir:


#miltoncamargo #consultor #palestrante #rh #recursoshumanos #liderança #estrategia #empreendedorismo #lider #empreendedor #erro #inovacao

Informações: +55 (11) 5183-9898
Rua Luigi Galvani, 200 • 7º andar • Brooklin • São Paulo • SP
  • LinkedIn ícone social
  • Instagram ícone social
  • Facebook Social Icon
  • Twitter Social Icon
  • YouTube Social  Icon

© 2018 por Milton Camargo